Modernidade Móveis

Clássicos, Modernos e Contemporâneos

A leitura engrandece a alma

22 de setembro de 2009 | Categoria: Decoração · Dicas| 5 Comentários

A frase de Voltaire explicita bem uma necessidade cada vez mais latente das pessoas terem um espaço em suas casas destinado exclusivamente para relaxar e se deixar envolver por uma boa leitura

Estar na companhia de bons livros requer, acima de tudo, conforto. Peças indispensáveis na decoração dos espaços de leitura, as poltronas e as luminárias são essenciais e ganharam, graças ao estudo de renomados designers durante a evolução do mobiliário, formas arrojadas e funcionais.

Famosas e muito cobiçadas, as poltronas, estrelas não só das salas e dos cantos de leitura, mas de outros ambientes da casa, nunca saem de moda e já fazem parte dos nossos cenários há séculos.

Exemplo disso é a cinquentona e imponente Charles & Eames. Criada no início do século XX pelo casal Charles e Ray Eames para a alta classe, é até hoje sinônimo de pura sofisticação. “Ela é atual pelo design e pelo conforto”, conta a arquiteta Silvana Andrade. Outra poltrona muito presente nas decorações é a Egg, que, com seu desenho diferenciado, lembra um abraço aconchegante.

Para os cantinhos de leitura, ser confortável é requisito fundamental, porém só isto não basta. O prazer da leitura pede horas em uma mesma posição, o que, muitas vezes, pode exigir muito do corpo. Especialistas em ergonomia alertam para a necessidade de estudar alguns quesitos na escolha da poltrona ideal. Segundo a especialista Beatriz Chimenthi, a poltrona deverá ser preferencialmente estofada e de tecido, com um encosto para a região lombar. “Como se trata de uma poltrona de leitura, o ideal é que tenha ainda um apoio para os pés e, pois o desconforto poderá gerar lesões músculo-esqueléticas”, afirma a especialista.

“O ideal é ler sentado em uma poltrona que tenha apoio para a cabeça”, diz a arquiteta Fernanda Quelhas. “Todos os pontos de apoio do corpo devem estar apoiados para a leitura fluir”, completa. Há quem prefira os estilos mais clássicos, com tecidos como o chenile ou o veludo, ou ainda o couro natural que “tanto na textura quanto o cheiro nos remete à poltrona do vovô”, diz a arquiteta Ana Rita Sousa e Silva. Tudo depende do que mais agrada ao toque do cliente.

O espaço para a leitura deve ser “tranquilo, sem trânsito de pessoas, ter iluminação adequada – natural e artificial – mas sempre em quantidade”, explica a arquiteta. “Uma poltrona confortável faz toda diferença”, diz a arquiteta Graziella Nicolai. Mas, o cantinho de leitura não fica completo sem uma bela e funcional luminária. Mesmo que o espaço tenha uma iluminação natural boa, é importante um foco de luz direta que pode ser resolvido por uma luminária de chão, por exemplo, ou até um projeto luminotécnico específico. “Deve-se optar por lâmpadas que não emitam calor em excesso, mas tenham um bom fluxo de luminosidade“, explica Silvana Andrade. Outra dica é optar por lâmpadas alógenas, que têm uma luz branca e brilhante, realçando as cores e os objetos.

O living do apartamento foi criado pelos arquitetos Antonio Ferreira Júnior e Mário Celso Bernardes para a edição deste ano da Casa Cor São Paulo. Carregado de elementos clássicos, o ambiente tem um piso de taco de madeira reaproveitada, assentado em espinha de peixe. As paredes verdes pinus destacam as molduras no tom bege claro. Numa das extremidades do ambiente, a poltrona de leitura é modelo Voltaire, uma criação de Sérgio Rodrigues. Ao lado, completando a ambientação, um buffet art déco com portas de pergaminho da década de 40. Os muranos e os quadros com obras de Burle Marx, homenageado no evento, estão por toda parte.

Clausem Bonifácio

Este aconchegante espaço é integrado à varanda, o que proporciona boa ventilação natural e boa iluminação indireta. Fica em um apartamento assinado pela arquiteta Silvana Andrade em Brasília, onde vive um casal de meia idade, sem filhos. Criado a pedido do casal, este ambiente de passagem tornou-se um espaço exclusivo para o prazer da leitura. A poltrona escolhida por Silvana foi a Charles Eames, que faz conjunto com a banqueta de mesmo nome revestida em couro branco. O projeto luminotécnico  priorizou as lâmpadas com reprodução de cor adequada para telas e objetos de arte e a luminária de pé completa a iluminação direta para oferecer conforto ao leitor. Como apoio lateral, a arquiteta usa o banco Sônia, de Sérgio Rodrigues, fundamental no conjunto levando em conta sempre as alturas entre as peças. Diante da poltrona, um aparador-ba

oferece ainda a opção de se beber algo enquanto se relaxa. Para suavizar a sobriedade, nada melhor que o vermelho sangue da tela da artista plástica Giovana Osmarine. O revestimento do piso é porcelanato polido e as paredes receberam pintura acrílica acetinada off white. A cortina é linho rústico.

Fotos: Leandro Farchi

O casal morador de Campinas, interior de São Paulo, desejava um quarto espaçoso e encomendou uma reforma à arquiteta Fernanda Quelhas. Somado mais um quarto à área do original, Fernanda ofereceu aos dois mais conforto e intimidade. Para aproveitar momentos de relax e leitura, a arquiteta escolheu para o espaço uma poltrona Egg de cor uva com banqueta para apoio dos pés. As portas que levam à varanda foram forradas de ponta a ponta por uma cortina  e os tons utilizados foram fendi, marrom e branco, quebrados, é claro, pelo tom de uva que aparece na poltrona, nas almofadas e sobre a cama. Sem iluminação geral, o quarto é rico em luminária diretas, tanto junto à cama como junto à poltrona . Elas também deram destaque ao painel de cabeceira, que tem estantes (Marcenaria Valentine Design) de folha natural de madeira imbuia e laca branca iluminação embutida e papel de parede de seda (Wallpaper) em tom sobre tom.

Fotos: Leandro Farchi
Marcelo Ringo

Para o quarto do casal em uma casa localizada em Catanduva, interior de São Paulo, a arquiteta Solange Calio escolheu um mix de materiais que combinassem com o clima da região: madeira na estrutura arquitetônica (de toda a casa) e fibras para os móveis e acessórios. Aqui, a boa ventilação, a vista para o jardim e a iluminação natural abundante convidam à leitura na acolhedora poltrona junto à porta balcão com venezianas. Como apoio, a banqueta de couro oferece ainda relax para as pernas. Mas se a opção é por uma leitura rápida na cama (Artefacto) com cabeceira estofada com linho, antes de sonhar, a arquiteta planejou ali iluminação artificial: um par de luminárias articuladas promovem acuidade visual e não ocupam espaço sobre as mesas de apoio. E os baús são de junco.

O desafio era transformar um espaço pequeno, de 17 m², em um charmoso escritório. E ele foi vencido pela designer de interiores Marília Veiga e pela arquiteta Juliana Brunetti na Casa Cor São Paulo deste ano. Sobre a mesa de acrílico, um pendente de tecido estampado com formato retangular. O espaço de leitura é formado pela poltrona, que esbanja conforto e design com as macias almofadas e uma luminária de chão articulada.Completando o cantinho, a mesa feita de madeira em estado natural dá apoio e charme. Os demais pontos de iluminação são embutidos e automatizados. O painel de MDF com acabamento de nogueira ganhou uma prateleira flutuante laqueada de azul, com iluminação embutida e fechamento com vidro para expor uma coleção de esculturas orientais dos séculos XVI e XVII (Galeria Clássica e Moderna) e o revisteiro. Todo o mobiliário planejado é ecologicamente correto. fotos: divulgação
fotos: divulgação
Foto: Nello Aum
A decoração do quarto deste apartamento, localizado em Belo Horizonte (Minas Gerais) e projetado pela arquiteta Christiana Gontijo fala por si só. A religiosidade e a fé da proprietária ficam evidenciadas na cama com o belo terço trazido de Roma. O gosto pelas peças clássicas prevalece e a mistura de elementos deixou o ambiente aconchegante e ideal para a leitura, especialmente pela substituição de um criado mudo por uma escrivaninha em estilo inglês e, sobre ela, um belo abajur estilo chinês com cúpula de seda e estrutura de cerâmica. Acompanhando a escrivaninha, há uma cadeira entalhada em madeira maciça. Sobre a cama, o cobreleito e as almofadas dão um toque de aconchego. Foto: Nello Aum
Foto: Jomar Bragança
Em seu espaço para a Casa Cor Minas Gerais do último ano, a arquiteta Graziella Nicolai esbanjou bom gosto. O antigo quarto do apartamento, agora transformado em escritório, foi pensado para ser utilizado em família. Com uma das paredes revestida com madeira, o ambiente ficou ainda mais acolhedor, e a poltrona de linhas clássicas convida para os momentos de leitura. A iluminação geral com minidicróicas  foi pensada com o foco nas paredes e o pendente sobre a mesa amplia a luminosidade, para a qual ainda contribui a luminária articulada para tornar mais confortável os momentos literários. Foto: Jomar Bragança
Fotos: Ary Diesendruck
Fotos: Ary Diesendruck

Como em um palco iluminado, a poltrona Charles Eames de couro branco natural brilha no ambiente sobre um tapete redondo. A moradora desta casa reformada por Ana Rita Sousa e Silva, uma médica, tem por hábito e por força da profissão a leitura. Por isso desejou que a antiga sala de jantar fosse transformada para curtir duas paixões: livros e vinhos. Um nicho foi criado para receber a adega climatizada e a estante, projetada pelo escritório AR Arquitetura, ganhou, nas laterais, módulos de madeira pau-ferro.

O espaço é todo iluminado com lâmpada de luz fria amarela, envolta por tecido. Junto à Charles Eames, a luminária é direcionada à leitura e a mesa lateral Sarineen tem o tampo de mármore carrara. Para trazer tranquilidade ao local, a arquiteta optou por cores neutras: beges, brancos e marrons. “A cor ficou por conta dos livros e objetos“, conta a arquiteta. As prateleiras da estante receberam iluminação xenon indireta e o fundo dos nichos baixos é de espelho. O espaço ficou perfeito para saborear bons momentos de leitura.

Transcrição: Esme Rodrigues

Fonte de matéria: Dcasa

Autor do post

avatar
Esme Rodrigues

Nasci junto com a Modernidade Móveis e da necessidade desta.

Mais da mesma

5 Comentários

  • 1 Iara Santos | 9 de janeiro de 2010 às 14:13

    Gostaria de saber se vcs teriam aquelas mesas laterais pretas que se encontram naquele quarto da casa em Catanduva-SP. Caso positivo, poderiam me enviar os valores, opções de cores, etc….? Grata. Iara.

    Responder comentário

    Resposta de Louise

    Olá Iara!
    Agradecemos o contato!

    Aquela mesa em específico não temos.
    Segue link das mesas laterias que comercializamos.
    http://www.modernidademoveis.com/category/produtos/mesas-laterais/

    Um abraço!
    Louise Carvalho

    Responder comentário

  • 2 Poltrona Ball Chair – 1963 | Modernidade Móveis | 9 de abril de 2010 às 9:29

    [...] calma atmosférica, protege contra ruídos externos e dá ao espaço privacidade para relaxar, ler e até mesmo falar ao [...]

  • 3 Acerte na Iluminação | Modernidade Móveis | 9 de abril de 2010 às 11:16

    [...] de luminárias, porque eles podem refletir a luz e atrapalhar a iluminação. Para quem gosta de ler em espaços diferentes da casa a sugestão é usar luminárias que possam ser transportadas de um [...]

  • 4 ana souza | 10 de maio de 2011 às 14:12

    sinto falta de uma poltrona com braços mais altos para facilitar a troca de pagina, com encosto de cabeça mais macio e um suporte inteligente para leitura,em que o livro ou jornal fique na mesma altura dos ombros, pois segundo especialistas a cabeça deve ficar na altura dos ombros, para evitar sobrecarregar o pescoço, pendendo a cabeça para baixo, o mesmo vale para notebooks, será que voces tem alguma idéia do que estou falando? se já houver algo desse tipo me enviem fotos, obrigada!

    Responder comentário