Modernidade Móveis

Clássicos, Modernos e Contemporâneos

Estofado novo, casa nova

14 de abril de 2009 | Categoria: Dicas| 1 Comentário

Novos estofados proporcionam mais do que a sensação de um ambiente conservado, eles criam espaços totalmente diferentes sem a necessidade de reforma, ou mesmo de se desfazer de móveis queridos.

Existem momentos na vida em que mudar é essencial. Comprar outras roupas, mudar os sapatos de lugar, trocar os objetos da escrivaninha ou as fotos dos porta-retratos. No entanto, às vezes, o desejo de acordar em uma casa completamente diferente vira necessidade e, nesse momento, é preciso pensar no que fazer. A opção de quebrar paredes, mudando o quarto das crianças para o closet, o banheiro para o home theater e a sala para um ambiente todo novo, que não existia antes, é sempre válida. Porém, não é de longe a opção mais prática para quem quer resultados rápidos e ainda manter a rotina normal da casa. É em situações como essa que a mudança de estofados dos sofás e cadeiras torna o desejo não só possível, como muito realizável. Pequenas mudanças podem valorizar ou mudar completamente os ambientes, deixando tudo mais bonito, sem precisar abandonar cada objeto escolhido com carinho no passado.

Para Elaine Carvalho, os tecidos têm uma função fundamental. “A combinação deles é a chave para um ambiente harmonioso.” Mas é preciso tomar cuidado. Como poucos móveis serão modificados, “é importante ficar atento ao que permanece, para não criar desarmonia com os que ganharam novo revestimento”, alerta a arquiteta. Além disso, o novo tecido tem de ser coerente com a peça em que será colocado. Para que nada saia errado, a escolha deve ser feita passo a passo.


PLANEJADO para receber a família nos fins de semana, o apartamento na Vila Nova Conceição (SP) ganhou uma decoração leve e moderna, que busca conforto e praticidade. Os tons suaves e o toque macio dos tecidos predominaram. No sofá, um chenile de algodão off-white e, nas poltronas, um ultrasuede, que é fácil de limpar. Para criar o ar moderno e o visual agradável, a cadeira Swan completou o ambiente com um veludo estampado assinado pela estilista Adriana Barra. O toque final ficou com as almofadas de seda, feitas sob medida num tom similar ao da Swan, e com o tapete felpudo que, apesar de não seguir os mesmos tons, une-se muito bem com a neutralidade do living.


Cores por todos os lados

Antes de começar a gostosa procura por novas tonalidades para o lar, é preciso ver as cores que já existem. Paredes de tons especiais, cúpulas de abajur, madeiras claras ou escuras. Elaine ensina que “todas as cores e texturas que já existem devem ser colocadas em uma cartela, para que as novas possam ser vistas junto das antigas”. O truque é combinar os tecidos como se você estivesse se vestindo para saber se eles ficam bem ou não. “A visualização deles deve ser fácil: se não for, não combinam”, acrescenta a especialista.

Além disso, nem todas as tonalidades se encaixam aos móveis. Grandes sofás com tecidos for tes ou muitas estampas não são bons para ambientes utilizados diariamente, pois seu visual enjoa comfacilidade.”Tecidos neutros em peças maiores podem ser compostos a texturas e cores em peças, como pufes e poltronas“, co- menta a arquiteta. Cadeiras também são boas peças para dar um toque de cor.

ENTUSIASTA de peças assinadas e exclusivas, o jovem casal de Alphaville queria para sua nova casa uma decoração extremamente moderna. Elaine Carvalho, então, escolheu cada peça que seria utilizada na deco-  ração e depois as combinou, montando uma mistura bem inusitada em toda a área social. No sofá da Claú dia Moreira Salles colocou nobuck, tecido natural bem estruturado que combina muito com peças de madei ra. Em harmonia com o outro ambiente do living, a poltrona dinamarquesa ganhou, ainda, uma sarja estam pada com assinatura de Adriana Barra.

Cada tecido em seu lugar

Além da maciez e durabilidade, o tecido também deve seguir as regras de ambiente e estilo. O linho, por exemplo, possui um toque muito delicado por ser feito de fibra natural, além de ser muito resistente. No entanto, ele amas sa com facilidade, deixando móveis clássicos com aparência velhos.

“Já em ambientes despojados e de linhas atuais,ele cria a harmonia perfeita”, conta a arquiteta. Ao contrário dele, o jacquard é a escolha ideal para espaços sofisticados,pois é um tecido mais grosso, de aparência exuberante e com um toque de brilho. Móveis de design moderno não comportam essa aparência mais carregada.

MANTENDO as peças de seu antigo apartamento,arquiteta Elaine Carvalho queria, ainda assim, uma decoração nova. Para conseguir isso ela decidiu trocar os estofados, montando uma decoração de bases neutras, mas com muitas texturas e cores nos pequenos detalhes. O sofá ganhou um linho puro, muito despojado. Nas poltronas de madeira desenhadas por ela, a opção foi uma sarja branca. Já para os pufes, feitos sob medida, uma escolha pouco convencio nal em decoração e claramente inspirada no mundo da moda: uma lã cinza risca-de-giz.

Poltronas e sofás de fibra não combinam com seda, pois são rústicos, enquanto o tecido é muito delicado e sofisticado. Já para cadeiras de jantar, a sarja é uma ótima escolha, por ser facilmente limpa. No entanto, por ser despojada, não fica bem em ambientes clássicos.

Porém, Elaine explica que é possível combinar diferentes tecidos em um mesmo ambiente, como o chenile e a camurça, que se unem tanto ao jacquard quanto ao linho, ou mesmo tecidos de algodão. “A aparência deles é aveludada, por isso conseguem esse dinamismo. O couro é também muito versátil e, além disso, é o único revestimento que, conforme o tempo passa, torna-se mais bonito e confortável”, diz.

Uma tendência bem atual, que demonstra domínio de estilo e bom gosto, é misturar tecidos atuais a móveis de desenho clássico. “Fazer isso, porém, requer muito cuidado, e um estilo efetivamente moderno”, aconselha Elaine. Mas ela completa: “Apesar de alguns tecidos estarem mais em moda que outros, é preciso pensar que eles ficarão por alguns anos em sua casa, e a moda pode mudar”.

Peças Especiais

Outro cuidado que se deve ter é na troca dos estofados de móveis assinados. Elaine alerta que é preciso ser coerente com o desenho e o estilo do móvel. Determinadas estampas e tecidos nem sempre são adequadas a todas as poltronas. “Porém, nada é eterno, e as mudanças de estofados são necessárias”, comenta a arquiteta. Ela ainda acrescenta que buscar entender em que contexto o móvel foi desenhado contribui muito para uma escolha correta.

Toque Final

Depois de selecionados os tecidos, é preciso ficar atento à escolha dos profissionais que farão o trabalho. Listras não podem ficar desencontradas, e estampas devem se completar por todo o móvel.

Para somar durabilidade às peças, Elaine aconselha, ainda, a utilização de capas. “Elas são ótimas para ambientes de dupla função, como home theater e living, já que permitem o conforto para as horas de diversão da família, mantendo um ambiente arrumado para receber os amigos”.

Após tudo pronto, é só escolher as almofadas, que devem ser como uma brincadeira de cores. E, como conclui Elaine, “nessa hora todas as escolhas são possíveis e não se deve ter medo de errar

IRREGULAR o formato deste living permitiu que fossem feitos diferentes ambientes. Porém, sem divisões, eles precisavam de uma conexão. Para isso, o toque dos tecidos e seus tons foram bem pensados.

O ambiente de estar, com lareira, ganhou nuances mais quentes com o bege “mais queimado” da seda rústica  do sofá , neutralizadas pelas poltronas brancas de seda pura.

Já no bar, as poltronas de madeira  levaram a tonalidade da sala de jantar, e um toque de cor com a cadeira Swan estofada.

Transcrição: Esme Rodrigues

Fonte de matéria: Dcasa

Autor do post

avatar
Esme Rodrigues

Nasci junto com a Modernidade Móveis e da necessidade desta.

Mais da mesma

1 Comentário

  • 1 Reginaldo | 1 de outubro de 2009 às 23:18

    Amei seus produtos. O gosto é variado e de alto padrão. Parabéns!!!